Perseverança dos Santos (Perseverence of Saints)

Posted by | Fevereiro 11, 2015 | Tulip | 3 Comments

Enfim chegamos ao último ponto das doutrinas da graça e ao final da nossa série de textos. Esse ponto final sela todos os aspectos que estudamos anteriormente e traz a conclusão lógica de cada um deles. A perseverança dos santos nos ensina principalmente que se Deus soberanamente nos assegurou todo processo de salvação, Ele também assegurará que não nos percamos no caminho. Mas, como esse é o último ponto, antes de entrarmos nele de fato, faremos um breve resumo de todos os outros, mostrando-os como contra ponto do arminianismo.

Relembrando o primeiro post da série, os cinco pontos do calvinismo não foram escritos por Calvino, mas sintetizam a teologia que ele e os outros reformadores construíram. Além disso, os pontos foram criados como uma resposta aos cinco pontos do arminianismo, uma heresia que nasceu no seio da Igreja. Cada ponto calvinista está diretamente ligado a um ponto arminiano, visando mostrar a verdadeira doutrina bíblica sobre esse aspecto.

1 – Primeiro Ponto (leia aqui)

O primeiro ponto calvinista se opõe à “vontade livre”, onde os arminianos sustentavam que o ser humano possuía vontade livre para escolher ou não a Palavra de Deus. Em resposta a isso temos a “depravação total”, onde vemos que TODO o homem, após a queda de Adão, está condenado, afastado de Deus e com isso não é capaz de escolher ou não ao Senhor (Rm. 3: 10 – 12).

2 – Segundo Ponto (leia aqui)

A “eleição incondicional” contrapõe-se a “eleição condicional”. Os arminianos creem que Deus elegeu aqueles que Ele pré-conheceu, a eleição alcançou aqueles que teriam alguma disposição para de fato “aceitar” o Senhor. Os calvinistas sustentam que o pré-conhecimento de Deus não está baseado em invenções ou obras humanas, mas em Seu plano redentivo que levaria os eleitos à aceitação final. (Jo. 15: 16).

3 – Terceiro Ponto (leia aqui)

“Expiação universal” era a crença de que Cristo não morreu por algumas pessoas em particular, mas por todos aqueles que queiram aceitá-lo. Ou seja, toda humanidade pode ser salva é só querer. Com isso, a expiação de Cristo seria um fracasso já que alguns por quem Ele morreu simplesmente não O escolheram e por isso foram para o inferno. O aspecto bíblico defendido pelos calvinistas nos diz que o Salvador morreu por aqueles a quem o Pai previamente havia escolhido. Portanto, sua morte foi bem sucedida, já que nenhum dos que o Pai lhe deu foram perdidos (Ef. 1:4-5)

4 – Quarto Ponto (leia aqui)

Enquanto cremos na graça irresistível, os arminianos creem que a graça pode ser impedida. Para eles o Espírito procura levar todos os homens a Cristo, é vontade de Deus que todo e qualquer homem seja alcançado. Já que para eles a vontade de Deus está amarrada à vontade humana, o homem é capaz de resistir ao chamado do Santo Espírito. Vemos com a graça irresistível que nada provem do homem, o chamado do Espírito é irresistível para aqueles a quem Deus escolheu (II Tm. 1: 9).

Agora que já lembramos os pontos iniciais, falaremos sobre a perseverança dos santos. O ponto arminiano referente a essa doutrina diz que o homem é capaz de cair da graça, ou seja, é possível perder a salvação alcançada em Cristo, só precisa parar de desejá-la. Para os calvinistas se Deus revela sua soberania em todo processo de salvação será Ele mesmo quem a assegurará. NÃO É POSSÍVEL PERDER A SALVAÇÃO, sim como os irmãos batistas creem “uma vez salvos, salvos para sempre”.

Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão.
João 10:28

Mas cuidado, precisamos compreender melhor o que de fato é a PERSEVERANÇA. Ela assegura dois aspectos, o primeiro é a já mencionada segurança da salvação e o segundo é a expressão dessa salvação na vida do crente.

Segurança da Salvação

Sim, uma vez alcançados pelo Deus soberano, jamais serão desprezados. Em diversos textos bíblicos podemos ter essa segurança de que não cairemos da graça. A salvação NÃO é uma obra humana, e por ser EXCLUSIVAMENTE realizada por Deus nas três pessoas da trindade o ser humano não possui a capacidade de arrancar essa salvação de suas mãos uma vez que não foi alcançada por mérito dele, mas sim de Cristo.

E a vontade de quem me enviou é está: que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrário, eu o ressuscitarei no último dia. De fato, a vontade de meu Pai é que todo homem que vir o Filho e nele crer tenha a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia.
João 6:39-40

Expressão da Salvação

O outro lado da moeda, que muitas vezes é ignorado, é que o crente verdadeiramente salvo expressará em sua vida as marcas de um novo nascimento. A nossa salvação está nas mãos do Senhor, foi alcançada e dada por Ele, mas cabe a nós revelar o fruto proveniente disso. Se em nosso dia-a-dia não demonstramos a Quem pertencemos, como podemos ter certeza de que somos salvos?!

Sei que esse ponto é delicado para alguns, mas sem a menor dúvida toda a bíblia nos leva a uma conduta diária muito particular. Esse aspecto exclui a ideia de “crente carnal” – não é possível ser alcançado pelo Senhor e viver PERMANENTEMENTE como se isso não lhe afetasse.

Se verdadeiramente você nasceu de novo, não há mais como viver no hábito do pecado sem que o Santo Espírito lhe reconduza ao caminho certo. Não estou afirmando que é impossível um verdadeiro cristão se “desviar”, mas estou afirmando que se ele for verdadeiramente cristão irá retornar aos braços do Pai. O Senhor nos assegura que não perderemos a salvação, mas nossa vida deve demonstrar que já a recebemos.

Estou plenamente certo de que aquele que começou a boa obra em vós há de completá-la até o Dia de Cristo Jesus.
Filipenses 1:6

Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeços e para vos apresentar com exultação, imaculados diante da sua glória, ao único Deus, nosso Salvador, mediante Jesus Cristo, Senhor nosso, glória, majestade, império e soberania, antes de todas as eras, e agora, e por todos os séculos. Amém!
Judas 24-25

Ser um cidadão dos céus requer mais do que só uma confissão pública e verbal, mas um testemunho vivo e real. Pra mim esse é o aspecto mais belo desse ponto – nós somos responsáveis pelo “desenvolvimento” da nossa salvação (Fp. 2: 12), uma árvore sem frutos deve ser arrancada e lançada ao fogo (Mt. 7: 19). As boas obras, os frutos, não alcançam a salvação, mas revelam que ela foi realizada em nós. Mas lembre-se: “Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade.” (Fp. 2: 13).

Não vem de nós a vontade de cumprir a palavra de Deus, nem a salvação que nos foi alcançada por Cristo, mas cabe a nós uma vida santa e irrepreensível que revela o Deus a quem servimos.

“Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória, segundo a eficácia do poder que ele tem de até subordinar a si todas as coisas.”
Filipenses 3:20-21

Qualquer dúvida envie-nos um email, ficaremos felizes em responder!

* Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, link do blog INCONFORMADOS, tradutor, blog original, não altere o conteúdo e não utilize para fins comerciais.

* Créditos da imagem

Posts Relacionados

About Marcela Mello

26 anos, solteira, formada em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia, nasceu em Salvador-BA e congrega na Igreja Presbiteriana de Brotas.

3 Comments

  • Camila disse:

    Marcella, que Deus continue a te capacitar a fazer a Sua boa obra. Belo estudo!

  • Michelle Mariano disse:

    Marcela estava procurando artigos que falassem acerca dos 5 pontos Calvinista de forma simples e fácil de entender para que pudesse presentear a uma amiga leiga no assunto, pois se indicasse livros ela não iria compreender facilmente como alguém que já esta familiarizado com o tema. Encontrei vc!! obrigado, que Deus lhe abençoe e capacite-a cade vez mais para continuar postando assuntos acerca do reino de Deus.
    Estou amando seu blog 🙂

Leave a Reply

Your email address will not be published.