Membros uns dos outros

Posted by | novembro 15, 2017 | Reflexão, Relacionamento | No Comments

Temos visto, graças a Deus, um crescente número de pessoas interessadas pela fé reformada e um severo combate ao pentecostalismo nos dias atuais. Vejo isso com bons olhos na maior parte do tempo, mas algumas vezes esse movimento me traz um pouco de medo. Primeiro porque muita gente ainda não compreendeu exatamente o que é a fé reformada e o que significa abraça-la; segundo porque vejo que alguns tratam com muita irreverência algo que é muito sério e falham na forma como lidam com os irmãos “mais fracos”.

Ora, nós que somos fortes devemos suportar as debilidades dos fracos e não agradar-nos a nós mesmos.” (Rm 15:1)

O número de páginas cristãs nas redes sociais, vídeos, memes e etc. fazendo piada com o pentecostalismo ou o marxismo ou o feminismo me assusta de alguma forma. Não estou dizendo que algumas vezes essas postagens não me arranquem riso, mas me preocupa pensar que estamos tratando de forma leviana aquilo que na verdade é muito sério. Se pensarmos na seriedade com a qual a Bíblia tratava as heresias, perceberemos que Deus não acha a menor graça daquilo que muitas vezes nos faz rolar de rir.

Assim como, no meio do povo, surgiram falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos mestres, os quais introduzirão, dissimuladamente, heresias destruidoras (…) para eles o juízo lavrado há tempo não tarda, e a sua destruição não dorme.” (2 Pe 2:1-3)

Fazemos piada de coisas pelas quais Deus tem enviado pessoas para o inferno. Não, não tem graça alguma ver a verdade de Deus ser pervertida e vendida por preço tão barato. Custou caro ao nosso Salvador trazer a verdade à tona, e deveríamos derramar lágrimas ao ver a Igreja Brasileira moderna, não risos. Parece que as pessoas que creem nessas coisas são necessariamente descrentes, ou alvos em potencial. Acho que nós jovens, principalmente, precisamos de um freio; em nosso ímpeto para ganhar discursos, muitas vezes estamos perdendo as almas.

Lembro-me de uma aula do Pr. Breno em nossa igreja para a mocidade na qual ele nos munia de ferramentas para destruir alguns desses discursos comuns em nossos dias. Mas não me esqueço ao final ele dizer: “o objetivo não é ganhar o debate; se você no fim das contas não mostrar o evangelho para a pessoa, de nada valeu”. Ver a forma como alguns jovens têm lidado com os debates realmente me entristece. Não estamos mostrando o evangelho em ponto algum do nosso discurso, queremos tão somente humilhar o oponente e ver que vencemos pelo nosso grande poder de retórica. Quão tolos somos ao fazer isso.

Vejo que alguns “jovens reformados” têm falhado principalmente em dois aspectos: primeiro não levam as coisas tão a sério quanto deveriam, segundo perdem as pessoas pelo bem dos debates.

Não quero dizer que não devemos combater as heresias, jamais! Dizer isso é ir contra tudo o que a bíblia nos ensina. Estou dizendo que muitas vezes nos falta sabedoria para fazermos isso. Nos falta algumas vezes perceber quem realmente acredita nessas mentiras por “ignorância” e quem deseja através delas perverter as verdades do evangelho (Gl 2:3-6). Em diversas porções das Escrituras encontraremos a advertência em relação aos falsos mestres, devemos tirá-los do nosso meio, eles são lobos vorazes que buscam destruir a Igreja do Senhor e precisamos ser firmes e resistir-lhes. Mas até isso devemos fazer por amor à verdade e não para a nossa própria glória.

Tal testemunho é exato. Portanto, repreende-os severamente, para que sejam sadios na fé e não se ocupem com fábulas judaicas, nem com mandamentos de homens desviados da verdade.” (Tt 1:13-14)

Acho que algumas vezes nós definimos as pessoas por aquilo que elas pensam e não procuramos descobrir a razão pela qual ela tem aquele pensamento, para assim tentarmos ajuda-la. Se olharmos atentamente para as Escrituras, Cristo era sempre severo com aqueles que pervertiam a verdade de Deus para cumprir seus próprios desígnios, mas era sempre misericordioso com aqueles que eram ignorantes à verdade.

Ai de vós escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia.” (Mt 23:27)

Nisto, veio uma mulher samaritana tirar água. Disse-lhe Jesus: Dá-me de beber. Pois seus discípulos tinham ido à cidade para comprar alimentos. Então, lhe disse a mulher samaritana: Como, sendo tu judeu, pedes de beber a mim, que sou mulher samaritana (porque os judeus não se davam com os samaritanos)? Replicou-lhe Jesus: Se conheceras o dom de Deus e quem é o que te pede: dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria a água viva.” (Jo 4:7-10)

Acredito que em nossos dias nós temos tido a atitude dura e severa com todos, sem nem passar pela nossa mente a obrigação que temos de revelar a graça, misericórdia e justiça de Cristo em nossas palavras. A nossa mensagem será dura, pois ela vai revelar ao homem que ele pecou contra Deus e por isso Deus o aborrece. Nosso discurso será difícil, pois prova que o Senhor deseja que pensemos de determinada forma e que aquilo que é contrário a essa forma de pensar é algo odiado pelo Senhor. Contudo, não podemos perder de vista que nosso objetivo nisso tudo é ganhar almas para o Senhor.

Muitas vezes destruímos as pessoas quando na verdade deveríamos combater as heresias e demonstrar misericórdia por aquelas que tão cegamente creem nisso. A igreja não é um local de pessoas perfeitas e todas maduras com a mesma compreensão das coisas. Não foi assim que Deus planejou. Ele salvou pessoas imperfeitas e utiliza o convívio que existe no seio da Igreja para que todos possam aprender e se edificar mutuamente. Quando não temos paciência com um irmão que é mais fraco e obrigamos que ele engula a seco as nossas vontades, não estamos agindo como crentes maduros e sim como crianças mimadas.

Paulo adverte aos Coríntios que não abusem da liberdade que eles têm, mas que demonstrem misericórdia com o irmão mais fraco (I Co 8:8-9). É nossa obrigação cuidarmos do próximo, nossos irmãos que estão se achegando agora ao evangelho não devem ser recebidos com chacota, não é nosso direito rir daquilo que os enganou por tanto tempo. Devemos tratar com seriedade.

O movimento pentecostal coloca em cheque coisas inegociáveis, e as igrejas acabaram aceitando em seu meio heresias e toda sorte de loucuras; nós precisamos nos colocar contra isso. Não podemos apoiar a mentira, aceitar que Cristo seja usado como um gênio da lâmpada, permitir que a Palavra de Deus seja moeda de troca, que os púlpitos sejam picadeiros, que os gêneros sejam confusos, que a forma de ver o mundo não seja a bíblica. Não! Precisamos combater cada uma dessas coisas, pois elas “matam” a Igreja, elas destroem aquilo de mais precioso para Deus, o resultado da obra de Cristo.

Apesar disso, não é nosso direito tratá-los como ímpios. A graça de Deus é capaz de alcançar qualquer pecador (afinal de contas ela nos alcançou). Podemos avaliá-los pelos seus frutos, instruí-los, exortá-los e mostrar-lhes onde estão errando, mas, fazer piada e excluí-los como se nós fossemos os únicos a ocupar o céu definitivamente não é algo que encontramos na Bíblia como recomendação aos irmãos mais fracos.

Não podemos quebrar a unidade da Igreja por conta disso, precisamos demonstrar maturidade ensinando nossos irmãos em amor, tendo paciência de mostrar para eles ao longo dessa caminhada como devemos agir e pensar. Devemos dar bom exemplo, demonstrar graça e misericórdia e mostrar para essas pessoas a verdadeira Igreja de Cristo, que acolhe aqueles que nessas coisas acreditam, não para que eles continuem em suas crenças equivocadas, mas para que eles aprendam a verdade e saibam que têm em nós auxilio e alívio nessa mudança de vida e caminhada Cristã.

Porque assim como num só corpo temos muitos membros, mas nem todos os membros têm a mesma função, assim também nós, conquanto muitos, somos um só corpo em Cristo e membros uns dos outros” (Rm 12:4-5)

* Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, link do blog INCONFORMADOS, tradutor, blog original, não altere o conteúdo e não utilize para fins comerciais.

* Créditos da imagem

Posts Relacionados

About Marcela Mello

26 anos, solteira, formada em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia, nasceu em Salvador-BA e congrega na Igreja Presbiteriana de Brotas.

Leave a Reply

Your email address will not be published.