A Luz no Fim do Túnel

Posted by | junho 09, 2017 | Reflexão | No Comments

“Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso do pecado que tenazmente nos assedia, corramos com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus”
Hebreus 12:1-2

O autor da carta aos Hebreus nos lembra pelo menos três verdades preciosas sobre a vida Cristã, e essas verdades quando esquecidas por nós são extremamente prejudiciais durante a nossa carreira rumo à santidade. Mas, antes de falar sobre elas, precisamos lembrar o quanto o mundo jaz no maligno (1 Jo 5:19) e como os dias são maus (Ef 5:16).

O fato é que a nossa sociedade está se destruindo moralmente e espiritualmente, cada novo passo é pior que o anterior, um abismo chamando outro abismo (Sl 42:7). Quem pensa que não é assim, basta olhar os números: no Brasil o número de homicídios chegou a quase 279 mil pessoas no ano de 2015, sendo superior ao número de pessoas que morrem em países em guerra (link). Em 2015 no Brasil tivemos a cada 5 minutos um estupro e a cada 1 minuto um carro roubado (link). A Indústria de pornografia lucra 100 bilhões de reais por ano (link). Esse é o resultado de uma nação que se esqueceu do Senhor e se entregou completamente ao pecado e às corrupções do coração, esse é o resultado do famoso “siga o seu coração”. Ainda pensa em repetir que tem fé no homem?

Diante deste quadro, o que pode nos salvar? Ou melhor, quem pode nos salvar? Quem fará a diferença?

Outdoors de Deus

Quase nunca estamos sozinhos, humanamente falando. Seja em meio público ou em casa, sempre temos “testemunhas a rodear-nos”. A maneira como agimos, falamos e vestimos são as informações que comunicamos, querendo ou não, às pessoas próximas de nós. Ou seja, a nossa maneira de viver revela a maneira como vemos a vida, que por sua vez, revelam aquilo que está em nossos corações, seja isso mal ou bom.

O escritor aos Hebreus deixa bem evidente a importância de testemunharmos de Deus ao mundo quando relembrou no capítulo 11 as incríveis histórias dos nossos pais na fé. Suas vidas são exemplos para nós e para o mundo, como pela fé “subjugaram reinos, praticaram a justiça, obtiveram promessas, fecharam a boca de leões” ( Hb 11:33) e muito mais coisas. Eles, pela Graça de Deus, se tornaram “homens dos quais o mundo não era digno” (Hb 11:38).

Com isso em mente, todas as pessoas são “outdoors” de alguém ou de alguma coisa. Nós sabemos que temos a capacidade de influenciar e de ser influenciado, até mesmo sem pronunciar uma única palavra. Por isso, se você é crente, você precisa ser diferente, você precisa ser um contraste em relação a esse mundo caído, você precisa ser como “carta de Cristo… escrita pelo Espírito do Deus vivente… nos corações” (2 Co 3:3), sal na terra e luz no mundo (Mt 5:13,14). Quando vivemos em santidade, honrando a Deus em todas as nossas atividades diárias, praticando a piedade e vivendo para sua glória, nós damos um recado, em alto e bom som ao mundo, de como nosso Deus é Santo, digno de honra e cheio de graça, bondade e glória.

Mas querido irmão, se a sua vida não difere da dos ímpios há grandes problemas para você “porque, se viverdes segundo a carne, caminhais para a morte;” (Rm 8:12). Quem é nascido de Deus não vive na prática do pecado (1 Jo 3:9), o que você comunica ao mundo não é Deus, mas sim um coração ainda preso a este mundo, um coração que não abriu mão do pecado. Parafraseando Richard Baxter: “quando você diz ser cristão, mas a sua vida não difere a do mundo isso significa para você que Deus, Cristo, o Espírito e a Palavra são pouco diferentes do Diabo, demônios, pecado e inferno.”

Assediados pelo Pecado

Como vimos acima, a nossa sociedade é extremamente depravada e ateia, pelo menos no sentido prático, e é cada vez mais difícil sair às ruas e não sermos bombardeados por raios gama de pecado e mundanismo, aliás, nem precisamos sair de casa, nossas televisões e celulares estão completamente contaminados. O “pecado tenazmente nos assedia”, mas precisamos nos desembaraçar dele e correr com perseverança, e um dos meios de conseguir isso é entender que não somos vítimas e que pertencemos a Cristo.

Não somos vítimas, definitivamente não; não podemos ceder a esta visão moderna de colocar sempre a culpa em outra pessoa, de fugir da realidade que nós somos falhos e precisamos de ajuda. O que é mais vantajoso quando se está enfermo, assumir que está tudo bem e esquecer que irá morrer, ou assumir que está doente e precisa urgentemente de ajuda? Deus nos diz que é do nosso próprio coração que procedem os maus pensamentos e não de fora dele (Mt 15:19). Certamente somos tentados diariamente, às vezes parece que tudo colabora para que a gente peque, ou parece que o pecado é mais forte do que tudo, até mesmo usamos a Bíblia para justificar as nossas falhas, dizendo que a carne é fraca. Mas isso não é verdade.

A Bíblia nos ensina que “cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz” (Tg 1:14). A verdade é que nós não tratamos o pecado como Deus trata, como disse um puritano: “Se você der ao pecado um centímetro, ele andará uma milha”. O pecado é altamente destrutivo e é inerente ao homem natural, mortificá-lo é uma guerra em que todo cristão está alistado.

Olhando Firmemente para Cristo

O terceiro e principal ensino é que não podemos perder a Cristo de vista. Quando leio esse versículo é inevitável não me lembrar de uma figura que ouvi em uma pregação: correr a carreira é como se fosse uma prova de atletismo – para ser contemporâneo ao texto, no Coliseu Romano – e ao imaginar um corredor exausto diante de toda a plateia observando o seu esforço e luta, os olhos do corredor estão fixos na linha de chegada, o seu pensamento é apenas um: “o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” (Fp 3:14).

É exatamente assim que devemos viver: em todas as tribulações e dificuldades devemos olhar firmemente para Aquele que venceu o mundo. Diante do desânimo, devemos olhar para Aquele que suou sangue mas bebeu o cálice da ira de Deus até a última gota por você. Diante dos pecados cometidos devemos olhar para Aquele que disse que se quisermos segui-Lo precisamos morrer para nós mesmos. Como disse o Pr. Steven Lawson: “Se olho para mim, me deprimo. Quando olho para os outros me iludo. Quando olho para as circunstâncias me desencorajo. Mas quando olho para Cristo me completo.”

Por isso, crente, por mais que o mundo jaza do maligno, por mais que sejamos “outdoors” imperfeitos que buscam apontar para um Deus perfeito, ainda que o pecado nos assedie e a luta contra a carne seja dura e cansativa, nós ainda temos motivo para termos esperança de que o mundo pode melhorar e que nós podemos glorificar a Deus. Jesus morreu e ressuscitou pelos Seus filhos, assegurados nEle, ainda que morramos, viveremos. Ele é a Luz no fim do túnel, devemos ter em nosso coração a certeza que Davi tinha após meditar na brevidade da vida, “e eu, Senhor, que espero? Tu és a minha esperança” (Sl 39:7).

* Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, link do blog INCONFORMADOS, tradutor, blog original, não altere o conteúdo e não utilize para fins comerciais.

* Créditos da imagem

Posts Relacionados

About Samuel Figueiredo

19 anos, estudante de Letras na UFBA, soteropolitano, solteiro e congrega na Igreja Presbiteriana de Brotas.

Leave a Reply

Your email address will not be published.